16.9.09

Alma lavada (6) – reencontro

Na quinta-feira de manhã, um dos intervalos dessas aplicações, enquanto aguardava para ir ao banheiro, alguém colocou a mão no meu ombro: “Aline?”
Me virei e demorei pra reconhecer por trás da máscara de enfermeiro e do jaleco branco, o meu ex-professor de faculdade e atual vizinho, que depois de se curar de um câncer, passou a trabalhar no CAPC como voluntário. Quando ele estava bem doente, cheguei a não reconhecê-lo uma vez, quando a gente se encontrou na casa de outro amigo. Estava uns 30 kg mais magro e com uma aparência extremamente frágil.
O abraço que a gente trocou nesse reencontro, com ele totalmente recuperado e ajudando os outros, foi emocionante.

2 comentários:

Gastão Cassel disse...

Aline, lá no CAPC tem uma frase que talvez seja o mais importante de tudo. Se a gente aprender, a gente se cura: "Faça tudo ra ser feliz".
Maravilhoso teu relato.

Puxadinho disse...

Estou emocionado de verdade. Como e confortante saber que no mundo ainda ha gente boa e fazendo o bem. Um beijo.