3.12.07

Balaio de gato

Volta e meia tem uma história com gatos na nossa vida. Nessas últimas semanas vínhamos observando uma gata que andava pela vizinhança meio barriguda. Passado um tempo, descobrimos que ela tinha dado cria no jardim do nosso prédio, estranhamente só tinha um gatinho. Ficamos acompanhando de longe, deixando comida, os dois estavam ótimos, sempre brincando juntos. Até que um dia, chegamos do trabalho e vimos um grupinho observando o local onde eles sempre ficavam. O filhotinho estava arrastando as patinhas de trás, não conseguia mais andar. Levamos pra uma clínica e a veterinária deu quase certeza que foi um chute que ele levou. Inacreditável. Um bichinho lindo daqueles... Bom, arcamos com os gastos junto com uma vizinha. O bichinho foi operado e conseguiu um dono lá mesmo, na clínica veterinária.
No meio da história toda, o Gu resolveu descer uma manhã pra levar comida pra mãe-gata, que estava chorosa pela perda do filhote. Na volta se deparou com um fuzuê dentro do prédio. Era uma vizinha e o síndico tentando expulsar "um gato de rua" que estava lá dentro. O Gu parou pra acompanhar, porque os dois estavam super exaltados, com vassoura na mão e tudo. Eis que, quando o bicho sai correndo, apavorado, vem o susto: era o Filé, o NOSSO gato. Por pouco não botaram o pobre para fora do prédio e a gente nunca provavelmente mais veria. Ainda não descobrimos quando e como ele saiu do apê, mas tomara que o susto tenha ensinado pra ele que não vale a pena arriscar uma voltinha pelos outros andares...
E ontem, cheguei em casa à noite, minha mãe tava telefonando pra contar que a gata dela tinha fugido. "A Belinha sumiu! Já procurei por todo o apartamento, botei comida, chamei e nada! Eu e o porteiro já vasculhamos os 12 andares, tô morta!". Enquanto ela falava, a Belinha apareceu, saída sei lá de onde. Gracinha, né?

3 comentários:

Alexandre Gonçalves disse...

Por falar em balaio de gato, gato fujão...http://www.gamedesign.jp/flash/chatnoir/chatnoir.html

Ana Paula disse...

Fala sério, essa do Filé quase ser expulso é demais! Ô, gente doente!

Aline Cabral disse...

Pois então, Ana! Depois de tudo o Gu entrou com ele no elevador resmungando: "com um pêlo desse, como é que ia ser gato de rua!?!?"