12.8.10

Sem saída

Essa só acredito porque aconteceu comigo. Agorinha.
Hoje, depois do trabalho, fui à dermatologista e fiz um peeling super forte. Saí de lá com a cara toda amarela, só posso lavar amanhã. Tô parecendo uma caneta marca-texto.
E meia-hora atrás o Gu saiu com o Igor - que vai viajar pra serra - pra buscar um super casaco na casa da minha sogra. Fiquei aqui sozinha, tava arrumando umas coisas, quando toca o interfone. Já paniquei, né? Imagina abrir a posta com essa cara? Quem será?
- Pronto?
- É o seu Fulano, vim entregar uma coisa pro Gustavo.

Parênteses: Seu Fulano é o queridíssimo pai de uma amiga nossa. O Gu diagramou um livro pra ele, não quis cobrar, porque não era um livro comercial - eram estorinhas curtas sobre a neta. E agora o seu Fulano tava passando pra deixar um exemplar.

Pensei: antes de abrir, vou avisar pra ele não se assustar e apareço devagarinho.
Porém... fui abrir a porta e... cadê a chave??

O Gu me deixou trancada!!

- Seu Fulano, que vergonha, aconteceu isso, isso e isso.
- Ah, posso deixar aqui. Mas é que tem um presente também, acho arriscado deixar aqui fora...

Olho pelo olho mágico e vejo uma cesta quase maior que ele, imensa mesmo.

- Faz o seguinte: toca no 601 e deixa com a dona Beltrana.
E eu do lado de dentro, só ouvindo a conversa.

Bom, pelo menos não me viram amarela.
Quer saber o que tem na cesta? Eu também.

Volta logo, Gu!!!

2 comentários:

Aninha disse...

Fiquei curiosa! Adoro o teu blog, estou sempre passando aqui para me divertir, relaxar, refletir. bjs
Aninha (a Ana da 1Via)
;)

Glaucinha disse...

rsrsrs este marido confia mesmo na mulher...srsrs É isto aí...mulher tem que deixar trancada em casa rsrsrs ainda mais uma mulher assim né...bonita, charmosa e com a CÚTIS DE MARCA TEXTO.rs beijão rsrs
Adoro teu blog.